sorrisos antigos

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

Em cada pequena coisa...

... que tu revelas/fazes/dizes, Laura, está patente uma realidade que me faz ansiar pelo futuro e ter umas saudades terríveis do passado - estás uma menina, longe do bebé que um dia foste.

 

Hoje de manhã, enquanto me vestia, senti-te no teu quarto, em reboliço. Abriste/fechaste gavetas, arrastaste o banquito que usas para te empoleirar e alcançar as zonas mais altas do armário, enfim... o costume. Fui dar contigo meio despida - tinhas tirado as calças do pijama e vestido umas cuecas que tiraste sozinha da gaveta. Na tua mão uns calções que estavam preparados do dia anterior para vestir de manhã. Quis ajudar-te a vesti-los, não deixaste. Quis  abrir o fecho e os botões, não quiseste, que conseguias vesti-los com aquilo tudo abotoado. Sentei-me na cama e observei a destreza com que os vestiste, sem qualquer tipo de dificuldade. Suspirei, sentei-te ao meu colo e disse-te que estavas muito crescida, uma menina. Pedi-te que não tivesses pressa e crescesses mais devagarinho. Aninhei-te, aninhaste-me e ficámos assim uns segundos, agarradinhas, até que me afastaste ligeiramente dizendo Não fiques triste, mamã, amanhã sou o teu bebé, está bem? 

 

:o))

publicado por mil sorrisos às 10:57
link do post | favorito
De Sophia a 19 de Junho de 2010 às 14:23
Oh tão querida!

Porque é que elas teimam em crescer tão rápido? Bate uma saudade...

Bjinhu querida
De mil sorrisos a 19 de Junho de 2010 às 16:44
è a lei da vida, mas as mães não se convencem disso...~eheheh
beijos e mil sorrisos
:o)))
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquise sorrisos antigos

 

últ. sorrisos

Momentos mesmo giros!!!
Olá. O meu sobrinho tem, neste momento, seis anos....
Olá.. Achei interessante a publicação.. Tenho minh...
Verdade. Ela gosta e sente-se bem na companhia dos...
Parece que a casa fica vazia... mas é tão bom ver ...
Estão como têm de estar... quer dizer que são cria...
... e que vaidade! Tira-me do sério!beijos e mil s...
Welcome back Estão reguilas e desafiadores, não é?...
ahah as crianças são uns amores.Está na idade da v...
Back!?!!! Ainda bem. Estava a ficar preocupada.. :...

Posts mais comentados

27 comentários
26 comentários
24 comentários
23 comentários
21 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
RSS