sorrisos antigos

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Quarta-feira, 13 de Julho de 2011

Do internamento

Nada se compara à situação de ouvir uma médica dizer que a nossa filha requer vigilância e que, por isso, é aconselhável o internamento... nada! Até domingo desconhecia este medo, esta impotência, esta fragilidade que se apodera de nós. O esforço para manter a compostura é tremendo, evitar o choro é complicado, mas há que aparentar calma. Consegui-o não sei bem como, nem uma lágrima derramei, mas só eu sei o rebuliço que aqui ia dentro. O mais difícil foi mesmo quando lhe foi dito que iria ficar no hospital e começou a chorar que queria ir para casa... Confortei-a, acalmei-a e acarinhei-a o mais que pude, mas só me apetecia chorar e gritar...

 

Tudo começou com uma ida às urgências. No sábado teve uma ponta de febre que persistiu no domingo, desta feita aliada a um inchaço na zona da orelha/pescoço. O meu primeiro pensamento foi mesmo para a papeira e não me enganei. Depois de horas intermináveis nas urgências - uma médica apenas para uma sala cheia - e análises ao sangue, foi feito o diagnóstico - Parotidite, vulgo papeira,  e Trismus associado. O internamento foi originado por este último que consiste numa constrição intensa das maxilas devida à contractura permanente dos músculos mastigadores, que torna difícil a abertura a boca. O inchaço dos ganglios inspirava algum cuidado e necessitava de vigilância, pelo que demos entrada no final de domingo com a indicação de que ficaria, pelo menos, 48 horas a antibiótico e sob vigilância. Deixei-a a ser instalada com o pai e vim a casa preparar um malote com roupas e artigos de higiene para ambas, sem esquecer alguns brinquedos e livros para ela se entreter durante o internamento. Quando regressei para junto dela encontrei-a bem mais calma e conformada, a comer a sopinha.

O tempo que lá estivemos acabou por passar depressa. Estivemos as duas num quarto só para nós devido ao perigo de contágio. A Laura esteve bem, sempre entretida com as coisinhas dela. Foi muito cooperante com as enfermeiras e as médicas que entravam constantemente no quarto para a examinar ou controlar o soro e a medicação através de uma catéter que lhe foi feito na mão esquerda. Comeu menos mal - a comida, não sendo nada de especial, também não era muito má - e dormiu bem as duas noites. Nunca se queixou de dor, apesar de a estarem sempre a apalpar aqui e ali. O único desconforto era mesmo o catéter, mas até a isso se habituou bem. Quando queria ir à casa de banho iamos com aquela geringonça atrás, qual trela a puxar um cãozinho, o que vale é que a casa de banho ficava mesmo ali, porta com porta.

Eu tive direito a um cadeirão que, à noite, servia de cama - ficava completamente na horizontal. Não fiquei mal, aliás, até uma cadeira servia, eu queria era ficar com ela fosse em que condições fosse. Dormi menos mal as duas noites, apesar do corpo  ficar meio dorido... Tomei banho os dois dias na casa de banho destinada aos acompanhantes e orientei-me com a fruta, yogurts e bolachas que levei de casa, para além daquilo que o meu marido me ia trazendo, principalmente sandes e salgados.

Na segunda-feira fez uma ecografia e na terça o inchaço diminuiu drasticamente. À hora de almoço, a médica deu-nos a boa nova - tiveram a reavaliar a evolução do estado da Laura e do inchaço nos ganglios e recomendou alta nesse mesmo instante. Que alívio! Estava certa que só sairíamos na quarta, aliás, sempre nos deram esse prazo, mas terça-feira fomos liberadas.

 

Agora temos que ficar em casa o resto da semana, o tempo necessário para a papeira passar completamente e poder voltar à escola. Anda aqui à minha volta bem disposta e a pôr-me a sala em alvoroço com as traquitanas dela.O inchaço desapareceu quase completamente e há que tomar o antibiótico religiosamente de 12 em 12 horas até domingo.  O susto passou! A ordem está reposta!

:o)

publicado por mil sorrisos às 11:20
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquise sorrisos antigos

 

últ. sorrisos

Momentos mesmo giros!!!
Olá. O meu sobrinho tem, neste momento, seis anos....
Olá.. Achei interessante a publicação.. Tenho minh...
Verdade. Ela gosta e sente-se bem na companhia dos...
Parece que a casa fica vazia... mas é tão bom ver ...
Estão como têm de estar... quer dizer que são cria...
... e que vaidade! Tira-me do sério!beijos e mil s...
Welcome back Estão reguilas e desafiadores, não é?...
ahah as crianças são uns amores.Está na idade da v...
Back!?!!! Ainda bem. Estava a ficar preocupada.. :...

Posts mais comentados

27 comentários
26 comentários
24 comentários
23 comentários
21 comentários
20 comentários
20 comentários
20 comentários
RSS